Indústrias de papel enfrentam falta de insumo

Falta da matéria-prima é a maior em 19 anos


    A falta de matéria-prima em vários segmentos e a alta dos preços são atualmente os principais fatores que travam a expansão da produção industrial no País. Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV) indica que, em outubro, a falta de insumo atingiu os maiores níveis desde 2001 em 14 dos 19 segmentos da indústria. Com o crescimento exponencial do e-commerce e a demanda vertiginosa por serviços de delivery devido a pandemia, caixas e sacolas em diferentes tamanhos, formatos e materiais se tornaram um produto de primeira necessidade para diversos setores, impactando a indústria de papel.


    Iniciou-se, então, uma corrida desenfreada por material, que desencadeou ainda no aumento dos preços. Somado a isso, a escalada do dólar é outro movimento que vem afetando diretamente as empresas da área. Uma pesquisa da CNI indica que 47% das indústrias esperam que a situação se normalize no primeiro trimestre do ano que vem. “A expectativa é que a produção industrial continue elevada, mas a demanda caia um pouco, o que é normal nos primeiros meses do ano. Dessa forma, será possível normalizar os estoques”, avalia o gerente de análise econômica da CNI.


Abaixo segue o demonstrativo gráfico das maiores dificuldades enfrentadas pelas indústrias de grande, pequeno e micro porte, dos estados do RJ e SP.